Os 6 experimentos científicos mais assustadores da história

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Os 6 experimentos científicos mais assustadores da história

Mensagem por Vansheeler em Sab 14 Jan - 14:38

A imagem de cientistas malucos sempre foi
explorada pela literatura e pela indústria cinematográfica. Alguns
desses personagens são apenas excêntricos e, mesmo com todas as suas
manias e atitudes incomuns, acabam surpreendendo a todos de uma maneira
positiva. É o caso do jovem Dexter, por exemplo, para o qual já
dedicamos um infográfico.

Mas outros costumam ter um lado sombrio, capaz de criar verdadeiras
atrocidades. Os profissionais da lista abaixo, talvez não apresentem má
índole, mas os métodos que usaram para provar suas teorias e realizar
suas conquistas parecem ter saído das mais fantasiosas páginas da
ficção. Sendo assim, conheça os seis experimentos científicos mais
assustadores da história.

1. Executado pela justiça e pela ciência


John W. Deering e a prisão onde foi executado a tiros

John W. Deering foi morto em 1938, durante um experimento científico.
Mas calma: não aconteceu uma explosão por acidente. O caso é que Deering
já havia sido condenado à morte por ter assassinado um homem durante um
assalto e, sendo assim, concordou com a ideia de que médicos
monitorassem seus batimentos cardíacos enquanto ele seria executado a
tiros.

Sendo assim, em 30 de outubro de 1938, o condenado fez a sua última
refeição e, na manhã seguinte (31), seguiu para cumprir a sua pena.
Depois de ter os sensores de eletrocardiograma posicionados em seu
pulso, Deering foi alvejado pelos tiros de cinco atiradores pagos pelo
município de Salt Lake City. O exame registrou um espasmo de 4 segundos
no coração do preso. Um tempo depois, o coração teve outro espasmo. E o
ritmo foi diminuindo gradualmente, até parar completamente em 15,6
segundos depois de a vítima ter sido baleada.

De acordo com os médicos que conduziram o experimento, os resultados
poderiam ser úteis para especialistas em doenças do coração, já que
mostrava claramente o efeito do medo sobre o ser humano. Apenas por
curiosidade, os batimentos cardíacos de Deering
foram de 72 bpm para 180 bpm quando ele foi amarrado à cadeira de
execução. Apesar da calma aparente do condenado, a média de batidas por
minuto continuou alta até o fim do experimento.

2. A safadeza dos perus


Perus se sentem mais atraídos por uma cabeça sem corpo do que o contrário (Fonte da imagem: Wikimedia Commons)

Martin Schein e Edgar Hale, ambos da Universidade da Pensilvânia,
ficaram intrigados com uma questão muito pertinente e que não podia
ficar sem resposta: qual seria o mínimo estímulo necessário para excitar
um peru a ponto de ele tentar copular? E antes que você pense besteira,
é bom esclarecer: estamos mesmo falando da ave, aquela que faz “gluglu”
e termina, inevitavelmente, servida como prato na ceia de fim de ano.

Tão surpreendente quanto a dúvida dos cientistas foi o resultado por
eles encontrado. Usando o modelo realista de uma perua, os pesquisadores
foram removendo partes de seu corpo aos poucos. Mesmo sem asas, pés e
cauda, o modelo continuou sendo atraente para a ave, que tentou copular
mesmo assim.

Não contentes, Schein e Hale foram além: colocaram apenas a cabeça da
perua em um palito de madeira e, mesmo assim, o peru demonstrou um
grande interesse por aquilo. Na verdade, o estudo concluiu que a ave
prefere a cabeça no palito a um corpo sem cabeça. Agora, tente não
pensar nisso no próximo Natal.

3. O terrível cão de duas cabeças


Vladimir Demikhov enxertou uma segunda cabeça em um pastor alemão (Fonte da imagem: Life)

Em 1954, Vladimir Demikhov chocou o mundo ao apresentar o resultado
de seu experimento: um cachorro com duas cabeças, criado cirurgicamente.
Mas a monstruosidade não para por aí. O cientista não implantou apenas a
cabeça, mas toda a região dianteira de um filhote no pescoço de um
pastor alemão já adulto. Os jornalistas quase não conseguiam acreditar
no que estavam vendo, principalmente quando os duas cabeças começaram a
beber leite simultaneamente.

A União Soviética bradava o feito de Demikhov como prova da
superioridade de seus médicos e, durante 15 anos, o russo criou 20 cães
de duas cabeças, sendo que nenhum viveu durante muito tempo. O recorde
de vida foi de um mês, já que havia uma rejeição muito grande do tecido
enxertado.

Mas Demikhov não realizava esses procedimentos por sadismo. O médico
foi o pioneiro nos estudos de transplantes de órgãos vitais e desejava,
um dia, realizar o transplante de coração e pulmão em seres humanos. Mas
quem acabou transplantando o primeiro coração humano, em 1967, foi o
sul-africano Christian Barnard, que chegou a visitar o laboratório do
soviético duas vezes e considerava Demikhov como um professor.

4. Transplante de cabeça de macaco


O americano Robert White transplantou a cabeça de um macaco para outro corpo (Fonte da imagem: Vice)

Como era de se esperar, o feito de Vladimir Demikhov acabou irritando
outra superpotência da época, os Estados Unidos. Por isso, na tentativa
de mostrar que os seus cirurgiões eram melhores, o governo americano
financiou Robert White em uma série de cirurgias experimentais que
resultaram no primeiro transplante de cabeça de macaco do mundo, em 14
de março de 1970.

White e seus assistente levaram horas para realizar a cirurgia, que
exigia até mesmo alguns movimentos coreografados para que pudesse ser
realizada com sucesso. E eles conseguiram: removeram a cabeça de um
macaco e a implantaram em um novo corpo. Quando o macaco acordou no novo
corpo, ele começou a seguir o cirurgião com os olhos e a demonstrar
raiva, deixando claro que não gostou do que tinha acontecido.
Infelizmente, a cobaia sobreviveu por apenas um dia e meio, vindo a
falecer por razões de complicações cirúrgicas.










Diferentemente do que aconteceu com Demikhov, Robert White não foi
tratado como um herói pelo povo americano. A opinião pública,
amedrontada pelo experimento, condenou veemente o feito de White. Mas
isso não impediu o doutor de continuar com seus estudos, chegando a
sugerir a realização do mesmo experimento com cabeças de seres humanos
que, pelo bem ou pelo mal, nunca chegou a acontecer. O cirurgião faleceu
em setembro de 2010.

5. Eletrificação de corpos humanos


As experiências de Aldini podem ter servido de inspiração para o romance Frankenstein (Fonte da imagem: D. Reality)

Em 1780, o professor de anatomia Luigi Galvani descobriu que um pouco
de eletricidade fazia com que os membros de um sapo morto se
contorcessem. Depois disso, outros cientistas europeus decidiram
replicar o experimento. Não demorou muito até que resolvessem partir
para algo um pouco mais assustador: aplicar choques em cadáveres de
seres humanos.

Foi quando Giovani Aldini, neto do professor Galvani, saiu em turnê
pela Europa apresentando um dos espetáculos mais esquisitos a que o
mundo já assistiu. O ápice de suas apresentações aconteceu em 1803,
quando ele aplicou os polos de uma bateria de 120 volts ao corpo de um
assassino que havia sido executado.

Quando Aldini encostou os fios elétricos na boca e em uma das orelhas
do cadáver, os músculos da mandíbula do morto se estremeceram e era
como se o ex-assassino estivesse enfrentando uma grande dor. O olho
esquerdo chegou a se abrir, como se estivesse encarando o seu
torturador. Para terminar com chave de ouro, Aldini posicionou os fios
na orelha e no reto do homem morto, fazendo com que o cadáver todo se
sacudisse, como se estivesse voltando à vida.

Acredita-se que foi uma dessas experiências que influenciou Mary
Shelley a escrever “Frankenstein”, romance de 1816 que se tornou um dos
livros mais famosos do mundo.

6. Experimentando vômito em nome da ciência




Durante o início do século XIX, o Dr. Stubbins Ffirth resolveu ir um
pouco longe demais para provar a sua teoria. Ao notar que a febre
amarela era muito comum no verão e desaparecia no inverno, Ffirth
concluiu que a doença não era contagiosa e que, em vez disso, ela era
causada por uma série de fatores estimulantes.

Para provar que estava certo, o médico da Pensilvânia precisava se
expor o máximo possível à febre amarela e mostrar que não havia sido
infectado. Por isso, Ffirth fez pequenos cortes em seu braço e derramou,
sobre eles, o vômito com sangue dos enfermos. Resultado: ele não ficou
doente.

Posteriormente, Ffirth também pingou gotas do característico vômito
da doença em seus próprios olhos, além de ter inalado o vapor gerado ao
ferver um pouco da mesma substância. Como se não bastasse, o cientista
kamikaze também bebeu copos de vômito e, mesmo assim, não contraiu a
doença.



Como continuou saudável, o médico concluiu que a doença não era
contagiosa e, infelizmente, Ffirth estava errado. A febre amarela é sim
contagiosa, mas precisa ser transmitida diretamente na corrente
sanguínea da vítima para infectá-la, o que normalmente acontece pela
ação de mosquitos. Mesmo assim, levando em consideração tudo o que
médico americano fez para se infectar, foi um verdadeiro milagre ele ter
sobrevivido.

E você? Iria tão longe assim para provar que estava certo?


Fonte Tecno Mundo


Medo? Não temas.....

======================

É meu fãn *-*? Adciona então minha Fanbar *-*


Parceiros:


sou fã desses emos sim *-* Razz









===========================

|Brutal Invasion Crackers Group|
Twitter Oficial
avatar
Vansheeler

Membro

Nada
Mensagens : 662
Pontos de Participação : 1650
Reputação : 153
Idade : 21
Data de inscrição : 31/12/2011
Respeito as regras :

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum